domingo, 25 de janeiro de 2015

O Diário de Anne Frank - Otto H. Frank e Mirjan Pressler



FRANK, Anne. O Diário de Anne Frank. Rio de Janeiro, Record, 2014. Tradução de The diary of a young girl. Título Original e holandês: HET ACHTERHUIS

O Diário de Anne Frank é um diário real escrito por uma menina de 13 anos, judia alemã enquanto estava escondida no sótão de uma casa em Amsterdã. Nesta edição encontramos o que ela escreveu inicialmente no diário com as modificações que ela mesma fez posteriormente pensando em publicá-lo no futuro. Anne Frank tinha 13 anos quando começou o seu diário. Inspirada por um programa de rádio que dizia que os diários escritos durante a guerra poderiam ser publicados, Anne editou e acrescentou alguns trechos e contou mais sobre sua vida no Anexo Secreto, como ela chamou o sótão.

No início do diário, encontramos uma Anne imatura e mimada, muito mais preocupada com meninos e coleguinhas da escola. Depois que deixa a casa e vai se refugiar no sótão na casa do patrão de seu pai, Anne começa aos poucos a relatar sobre a guerra e as dificuldades do dia a dia. Os moradores do Anexo Secreto enfrentaram fome, tédio, medo de serem descobertos, desespero por estarem confinados e dificuldade de convivência com outras pessoas em um espaço tão pequeno, sem privacidade etc.

"...Estou no topo do mundo quando penso em como temos sorte, ao me comparar com outras crianças judias, e nas profundezas do desespero quando, por exemplo, a Sra. Kleiman vem falar sobre clube de hóquei de Jopie, passeios de canoa, peças de teatro na escola e chás com amigos." p.164


Nos dois anos que duraram os seus relatos, acompanhamos o amadurecimento de Anne que lia muito e se interessava por Política, História, Religião, Literatura, Artes etc. Ela dava sua opinião sobre o que estava acontecendo no mundo baseada nas notícias que ouvia no rádio e nas conversas com sua família e com os outros moradores do Anexo Secreto.

"A guerra vai continuar, independentemente das brigas e do desejo de liberdade e ar puro, por isso deveríamos tornar a nossa estada o mais agradável possível." p180

Anne também viveu um breve romance no confinamento mostrando que mesmo nas piores condições ela conseguia viver sua vida, fazer planos e ter esperanças no futuro. Anne queria ser escritora (e conseguiu) e alguns trechos do diário em que fala sobre o que esperava do futuro são muito comoventes. 
"Se Deus me deixar viver, vou realizar mais do que mamãe jamais realizou, vou fazer com que minha voz seja ouvida, vou para o mundo e trabalharei pela humanidade!" p.273

Anne era muito inteligente e tinha opiniões fortes.  Sabia o que queria e o que pensava sobre o mundo e questionava a situação das mulheres.

"Mas é só isso. As mulheres devem ser respeitadas também! Falando em termos gerais, os homens são mais valorizados em todas as partes do mundo; então pir que as mulheres não devem ter a sua cota de respeito? Soldados e heróis de guerras são homenageados e condecorados, exploradores recebem fama imortal, mártires são reverenciados, mas quantas pessoas veem as mulheres também como soldados?" p.328

"Acredito que, no decorrer do próximo século, a ideia de que é dever da mulher ter filhos mudará, e abrirá caminho para o respeito e a admiração a todas as mulheres, que carregam seus fardos sem reclamar e sem um monte de palavras pomposas." p.329

São tantos trechos do diário que eu amei, que é melhor parar por aqui. Leiam e se apaixonem também. O livro é uma delícia! Forte, emocionante, intenso e uma pequena amostra sobre a II Guerra Mundial. Recomendo muitíssimo para leitores de todas as idades.

Avaliação: ★★★★ 

Como muitos devem saber, Anne Frank não sobreviveu à guerra. O Anexo Secreto foi descoberto e ela foi capturada. Morreu de tifo no campo de concentração Bergen-Belsen na Alemanha pouco tempo depois. Seu diário foi posteriormente editado e publicado por seu pai, Otto H. Frank que sobreviveu à guerra. Muito se questionou sobre a autenticidade do diário, mas ele foi analizado e considerado autêntico. Os originais estão expostos no Museu de Anne Frank na casa em que Anne e sua família ficaram escondidos em Amsterdã.

Até mais. 
Beijos e boas leituras. :**




Este livro faz parte do Projeto Lendo o Mundo criado pela Mell do Blog Literature-se.
Para entender melhor o desafio, entrem no meu link sobre ele.


Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Aderi ao projeto Lendo o mundo também, e inclui esse livro na minha lista. Já ouvi muitos comentários ótimos sobre a leitura, porém infelizmente ela é real. Gosto deste tipo de literatura, mas ao mesmo tempo ela me assombra.

    Que bom que foi uma leitura prazerosa pra você. Espero me apaixonar também. Beijos.

    ResponderExcluir

Adoro comentários e respondo aqui mesmo, conforme eu vou lendo.
Gentileza gera gentileza.
=)