quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Como Água para Chocolate - Laura Esquivel



ESQUIVEL, Laura. Como Água para Chocolate. Rio de Janeiro: BestBolso, 2014. Título original: Como agua para chocolate.

"Algumas vezes chorava sem motivo algum, como quando Nacha cortava cebolas. Mas já que ambas sabiam a causa daquelas lágrimas, não davam muita atenção. Faziam disso uma fonte de diversão, de modo que, durante a infância, Tita não fazia distinção entre lágrimas de alegria ou de tristeza. Para ela, rir era uma forma de chorar." p.10

"Como água para chocolate" se passa no México, no início do século XX. Conta a história de Tita que desde muito jovem foi avisada por sua mãe que nunca se casaria porque sendo a filha mais nova, deveria cuidar da mãe até sua morte. Desde pequena Tita gostava da cozinha e logo aprendeu a cozinhar. A empregada Nacha era sua amiga e lhe ensinou tudo sobre os temperos e as melhores receitas da cozinha mexicana, além de ouvir e dar conselhos sobre sua vida amorosa. Quando adolescente, Tita se apaixonou por Pedro, e o amor era recíproco. Mas sua mãe a proibiu de se casar. Pedro, então, resolveu casar-se com a irmã de Tita, Rosaura, para que pudesse sempre estar perto da sua amada. Essa foi uma escolha terrível para todos os envolvidos, principalmente as duas irmãs que sofreram muito. Tita ficou arrasada com a decisão de Pedro, e Rosaura que gostou muito da ideia no início, teve uma péssima vida conjugal ao lado do marido porque era claro que ele não a amava. A relação entre as irmãs, que nunca foi das melhores, foi completamente destruída e Tita entrou em depressão. A partir deste momento a vida de Tita parece que vai dar uma virada porque ela conhece  médico americano John que cuida dela e se apaixona por ela. Mas a história de Pedro e Tita não acaba assim. 

É importante destacar também a relação entre Tita e a mãe. A mãe de Tita é uma mulher egoísta, cruel, que maltrata a filha e as empregadas. Elas brigam desde que Tita era pequena porque Tita nunca aguentou calada a forma como a mãe a tratava. Mas também nunca teve coragem de dar um basta. Até mesmo depois da sua morte, a mãe de Tita continuou tendo um poder maligno sobre ela. 

Gertrudes, a irmã do meio também é um personagem muito interessante. Cheia de paixão e desejo, ela exerce sua sexualidade de forma livre e sem amarras e é a única entre as irmãs que consegue viver longe das amarras da mãe. É também aquela mais influenciada pelos poderes afrodisíacos das comidas de Tita.

Eu gostei muito do livro. A escrita da autora é belíssima. Adoro a forma como ela mistura as receitas à história e todas as metáforas entre os sentimentos dos personagens e os sabores e sensações causados pelas comidas. É um livro lindo! Mas eu odiei o casal principal. Já tinha odiado isso no filme, e aqui não foi diferente. Eu adorei Tita e como sua personalidade foi trabalhada, mas Pedro é irritante, infantil e machista. A escolha que ele fez foi estúpida, covarde e cruel com as duas mulheres. Ele ficou em uma situação muito cômoda casando-se com Rosaura e tendo Tita como amante enquanto que as duas mulheres sofreram cada uma à sua maneira. E ainda prejudicou a relação entre as elas. Pedro podia até gostar de Tita, mas de uma maneira bem torta. Não gostei do final da história, mas achei lindíssima a forma como foi narrado. Odiei as escolhas que os personagens fizeram, mas a história é interessante e eu adoro realismo fantástico. Adoro as explicações e acontecimentos mágicos intercalados como uma história que poderia ter mesmo acontecido. Esse é sem dúvida um dos meus gêneros literários favoritos. O livro é cheio de sensualidade, muito bem escrito e uma delícia de ler apesar de todas as minhas ressalvas. Recomendo muito o livro e o filme e vou experimentar algumas receitas. ;)

Avaliação: ★★★★

Até mais.
Beijos e boas leituras. :**




domingo, 13 de dezembro de 2015

Desafio Literário 2016


Voltei! 
Andei sumida, mas voltei para lançar um desafio literário para o ano que vem. Na verdade, eu quero me desafiar, já que este ano foi muito fraco em matéria de leituras. Aliás, foi fraco em todos os sentidos. Mas estou de volta e sentindo que 2016 será um ano repleto de realizações e conquistas. 
Li muito pouco e espero ler muito mais, então me proponho a meta de ler pelo menos 4 livros por mês, mas ainda que não consiga, ao menos 1 deles terá que seguir o seguinte roteiro:

Janeiro: Um livro que se passe na sua cidade natal (que no meu caso é o Rio de Janeiro).
Fevereiro: Uma história de amor ou um livro que tenha um casal como protagonista.
Março: Um livro com autora mulher e protagonista feminina.
Abril: Um livro de ficção científica.
Maio: Um livro que aborde maternidade ou casamento.

Junho: Um livro cujo protagonista seja ligado à natureza ou defenda a preservação da natureza.
Julho: Um livro que se passe no inverno ou que tenha um tema melancólico.

Agosto: Um livro que se passe na guerra.

Setembro: Um livro de um autor brasileiro.

Outubro: Um livro de terror.

Novembro: Um livro que fale sobre escravidão ou racismo.
Dezembro: Um livro que se passe no Natal.

É isso. Boa sorte para mim e para quem quiser participar. Quem for participar, por favor, deixe um comentário aqui e divulgue o blog e o banner do desafio.

Beijos, boas leituras, boas festas e uma excelente virada de ano. :**


sexta-feira, 12 de junho de 2015

[série de TV] Sense8 (2015 - )




Em homenagem ao dia dos namorados, vou falar de uma série que é só amor: Sense8 é uma série de ficção cientifica produzida e exibida pelo netflix, criada e dirigida pelos irmãos Andy e Lana Wachowski (de Matrix).

Conta a história de 8 pessoas que não se conhecem e que vivem em diferentes partes do planeta, mas são conectadas mentalmente umas com as outras. Elas sentem o que as outras sentem e podem conversar entre elas a distância. Eles não entendem esse fenômeno. Não sabem que possuem um gene mutante que os torna capaz dessa telepatia. Eles são uma evolução e são chamados de sensates (sense8).



A história é muito envolvente, mas o melhor dela são os personagens. Que personagens. Muito bem construídos e com histórias muito distintas uns dos outros:

Will (Brian J. Smith), um policial americano filho de um ex policial que se tornou alcoólatra após ser baleado e ter que abandonar a profissão. Nomi (Jamie Clayton), uma mulher transsexual, lésbica, rejeitada pela família, que escreve um blog sobre direitos LGBT. Sun (Doona Bae), uma executiva sul coreana que quer que seu pai reconheça seu valor e que também é uma lutadora de artes marciais. Capheus (Aml Ameen), um motorista de van queniano que trabalha muito para conseguir pagar os remédios de sua mãe HIV positiva. Riley (Tuppence Middleton), uma DJ islandesa que vive em Londres e tenta esquecer o passado. Kala (Tina Desai), uma farmacêutica indiana muito religiosa que está prestes a se casar com um homem apaixonado que ela admira, mas não ama. Lito (Miguel Ángel Silvestre), um ator mexicano que tenta esconder que é gay para não prejudicar a carreira. Wolfgang (Max Riemelt), um gângster alemão que odeia sua família de criminosos.

Tenho os meus preferidos, mas são todos incríveis e apaixonantes. Sem falar nos coadjuvantes maravilhosos também.



Por trás da trama de ficção científica muito convincente, encontramos uma metáfora para a empatia. A série mostra que quando nos colocamos no lugar do outro, não importam as nossas diferenças porque todos temos a capacidade de sentir. Não importa o gênero, a raça, a orientação sexual, a origem ou a classe social, é possível se colocar no lugar do outro e sentir a dor do outro. Os 8 sensates são um só e algumas cenas exploram esse conceito de forma lindíssima. Além disso, a perseguição que sofrem por aqueles que os consideram uma ameaça faz um paralelo com a perseguição sofrida por todos os que são considerados diferentes neste mundo repleto de preconceito.

As cenas de ação em que vemos um sensate se colocar no lugar do outro para ajudar são espetaculares. Dá para ver o quanto exigiram dos atores e da edição para serem realizadas. Os atores são excelentes e a trilha sonora é linda! Impecável! Tem drama, ação, romance, sexo, drogas e música! Recomendo a todos! O netflix planeja 5 temporadas para a série. Estou na torcida! :)

Abaixo a cena mais linda de todas:




Até mais. Beijos e feliz dia dos namorados! :**




domingo, 29 de março de 2015

[série de TV] Breaking Bad (2008 - 2013)



Atenção: Contém Spoilers! Você foi avisado. 

Breaking Bad é uma das melhores séries de TV que já assisti. Criada e dirigida por Vince Gillian, foi exibida pelo canal AMC e atualmente é exibida pelo canal AXN e pelo Netflix. Com personagens muito bem trabalhados, complexos e incrivelmente humanos e uma história muito bem amarrada, acompanha a história de Walter White ou simplesmente Walt (Bryan Cranston), um químico que dá aula em um colégio e também trabalha em um Lava Jato e leva uma vida comum em Albuquerque, Novo Mexico com a esposa grávida e o filho adolescente. A irmã de sua esposa é uma cleptomaníaca atrapalhada casada com o agente federal Hank (Dean Norris), do DEA, o departamento de narcóticos. 

Tudo muda na vida de Walt quando ele é diagnosticado com um câncer de pulmão inoperável e os médicos dizem que ele tem pouco tempo de vida. Após acompanhar uma batida do DEA com seu concunhado a um laboratório de metanfetamina quando o "cozinheiro" foi morto, Walt resolve juntar-se a um ex-aluno que fazia parte da quadrilha, Jesse (Aaron Paul), e juntos começam a produzir metanfetamina. Walt quer ganhar dinheiro suficiente para prover a família após sua morte.

Logo Walt descobre que tem talento para isso e que seu cristal, como é chamada a droga, é o melhor e mais puro do mercado. O  negócio cresce, Walt ganha cada vez mais dinheiro e fama e mergulha cada vez mais no mundo do crime. Ele passa a ser conhecido como Heisenberg.

A esposa de Walt, Skyler, começa a desconfiar e fica cada vez mais difícil fazê-la acreditar em suas mentiras. A crise no casamento fica cada vez mais insustentável e Walt acaba contando a verdade a sua esposa que, sem coragem de denunciá-lo, acaba se envolvendo em seus negócios.

Walt está em remissão da doença, portanto não é mais pela família que continua produzindo a metanfetamina. Ele está cego pelo poder. Walt não consegue mais admitir os próprios erros, torna a vida da esposa um inferno e chega até a ameaçá-la. De pequeno produtor da droga, Walt se torna um grande traficante, assaltante e assassino frio e sem remorso. Ele quer poder, quer construir um império, mesmo depois que até mesmo seus sócios desistem do negócio. Em um ponto Jesse questiona Walt: "Um império de metanfetamina é motivo de orgulho?" Mas tudo o que Walt quer saber é de ter cada vez mais poder. Ele é guiado pelo orgulho e pela ambição. 

Jesse por outro lado começa a série como um desajustado, viciado em metanfetamina e com uma família que o rejeita. Jesse também é seduzido pelo dinheiro, mas passa a série toda questionado a vida que leva e se martirizando pelos seus crimes. Ao mesmo tempo nunca consegue se livrar totalmente do vício e fica cada vez mais transtornado. Jesse é fraco e facilmente influenciado e por mais que tente, não consegue sair do negócio de metanfetamina.

Skyler é uma personagem incrível e a atriz Anna Gunn faz uma atuação brilhante. Skyler é uma mulher forte que tem que fazer escolhas difíceis pela sua família. Ela sabe que se o marido for descoberto, todos ficarão arruinados, mas aos poucos percebe o quanto ele é perigoso e como suas escolhas colocam seus filhos em perigo. Ela aprende a mentir e se torna uma criminosa, mas se sente uma refém em sua própria casa. Tem medo do que o marido se tornou e de ser morta por outros criminosos que trabalham com ele, mas também tem medo de ser descoberta já que Walt é muito descuidado com os negócios, 

Enquanto o negócio cresce, Hank, concunhado de Walt, investiga o misterioso Heisenberg e esse caso se torna uma meta na sua vida profissional e uma questão de honra. Hank fica obcecado em prender Heisenberg. Hank é talvez a melhor pessoa da história.



As atuações são impecáveis e é impossível não se envolver com a vida desses personagens que despertam amor e ódio nos telespectadores. Passei toda a série dividida entre torcer para que Walt escapasse ou  fosse descoberto ou mesmo morto, não por gostar dele, mas porque o personagem é incrível. Amei Skyler mas também a odiei em alguns momentos, assim como Jesse().

Breaking Bad mostra como é frágil o limite entre o certo e o errado, como é fácil romper essa barreira e como uma vez transposta é difícil voltar atrás. Conta a história de pessoas que se transformam por causa de suas escolhas e faz refletir sobre a fragilidade, a falibilidade e a imperfeição dos seres humanos. Sem falar que, embora não seja esse o foco da série, tudo o que se trata de drogas sempre faz pensar em como a guerra às drogas e o tráfico matam mais que as drogas e si.

A série é cheia de cenas de ação, suspense, drama e momentos cômicos que a tornam absolutamente divertida! Começa um pouco lenta, mas ganha ritmo a cada episódio. A história intercala cenas passadas em ordem cronológica com flashbacks e cenas que são explicadas posteriormente. São 5 temporadas com no máximo 16 episódios. Faltam 6 para o final e eu estou me mordendo de curiosidade de saber como termina.

Estão esperando o que para assistir? Estou indo assistir aos últimos episódios.

Atualização: Acabei de assistir ao final e é perfeito!

Até mais. 
Beijos. :**





quarta-feira, 25 de março de 2015

TAG: Liebster Award

Adoro TAGs porque adoro interagir com outros blogueiros e saber mais sobre eles. Fui indicada pela Lady Sybylla do blog Momentum Saga e fico feliz em responder.

Regras:

1. Escrever 11 fatos sobre você
2. Responder as perguntas de quem indicou a TAG
3. Indicar 11 a 20 blogs
4.Fazer 11 perguntas aos blogs indicados
5. Inserir no post uma imagem com o selo Liebster Award
6. Linkar de volta quem te indicou



11 fatos sobre mim:
  • 1. Passei os primeiros 7 anos em meio da minha vida em Moçambique onde fui morar quando era recém nascida.
  • 2. Aprendi a ler aos 3 anos de idade
  • 3. Em Moçambique eu estudava em um uma escola inglesa: Internacional School
  • 4. Eu me mudei de cidade 6 vezes ao longo da minha vida. No Brasil eu morei no Rio, Curitiba, Rio, Manaus e Rio novamente.
  • 5. Estudei em 6 escolas diferentes.
  • 6. Tenho dificuldade para falar em público, mas tenho facilidade de fazer amigos e de falar para pequenos grupos.
  • 7. Dançar é minha maior paixão. Comecei no ballet e Jazz aos 7 anos e aprendi também a dançar Samba, Bolero, Soltinho, Forró e Zouk.
  • 8. Pretendo fazer aulas de outras danças e de acrobacia aérea.
  • 9. Fiz aulas de natação durante 5 anos e também de nado sincronizado.
  • 10. Tenho planos de fazer outra faculdade. Talvez Letras. Mas também quero fazer uma pós graduação então estou dividida.
  • 11. Interrompi o meu livro por enquanto, mas voltarei a escrever quando essa fase emocional ruim passar.

Perguntas da Lady Sybylla:

  • 1. O hábito de leitura vem de onde?
  • Minha mãe me ensinou a ler e me apresentou aos livros. Ela também, é apaixonada por literatura.
  • 2. Você prefere livros físicos, ebooks ou os dois?
  • Prefiro livros físicos, porém ebooks são práticos para levar onde eu quiser como o ônibus e a praia onde eu costumo ler bastante.
  • 3. Você tem e-reader?
  • Sim, tenho um KOBO.
  • 4. Qual o seu gênero literário favorito?
  • Ficção Histórica, Ficção Científica, Romances de Costume e Psicológicos (especialmente do século XIX).
  • 5. Lê literatura brasileira?
  • Sim.
  • 6. Gosta de ler resenhas antes de comprar o livro?
  • Leio só o início e o fim das resenhas para não saber demais. Procuro saber o quanto o blogueiro gostou da leitura e só após ler o livro, leio a resenha inteira.
  • 7. Qual a sua série literária favorita?
  • As Crônicas de Gelo e Fogo, apesar de que ando desanimada com a lentidão com que George R. R. Martin escreve o que me fez adiar a leitura do 5º livro. Fiquei ainda mais desanimada ao saber que o final da série será mostrado na série de TV antes dos livros.
  • 8. Lê em média quantos livros por mês?
  • Depende da época. Atualmente ando devagar porque não tenho conseguido me concentrar, mas normalmente entre 4 e 6.
  • 9. Tem preconceito com algum gênero literário? Por que?
  • Não leio auto ajuda. Acho que é uma besteira. E como psicóloga, acho que existem formas mais eficazes de buscar ajuda. Existem diversas terapias e atividades para ocupar a mente e o corpo que são mais eficazes e técnicas. Tenho mais "raivinha" quando classificam livros de auto-ajuda nas livrarias como "Psicologia".
  • 10. Compra livros online ou prefere ir à livraria?
  • Compro online porque é mais barato, mas adoro frequentar livrarias. De vez em quando até para comprar.
  • 11. Autor ou autora da qual você não perde um livro sequer.
  • Bernard Cornwell e Ken Follett.


Minhas perguntas:
1. Na sua opinião, qual o melhor lugar para se ler um livro?
2. Além de escrever para o blog, você escreve outras coisas?
3. Quem são seus autores preferidos?
4. Você tem algum gênero literário preferido? Qual?
5. Você costuma sair da zona de conforto ou se mantém fiel ao seu gênero literário preferido?
6. O que perguntaria ao seu autor preferido?
7. Algum livro te fez se interessar em conhecer outro país? Qual?
8. Já sentiu vontade de viver em um mundo fictício? Qual?
9. Qual o seu personagem preferido?
10. Qual a importância da literatura na sua vida?
11. O que diria para pessoas que não gostam ou não têm o costume de ler?

Indico:
Aline do Leituras, Vida e Paixões
Nanda Assis do Viagem Literária
Fê do Na Trilha dos Livros
Alana do Acompanhada pelos Livros
Carissa Vieira do Sopa Primordial
Pandora do Uma Pandora e sua Caixa
Alê do A Menina das Ideias
Luara do Estante Vertical
Fernanda Ohashi do Trocando o Disco

E quem mais quiser participar.

Beijos. :**





P.S. Sim mudei o nome do blog de novo, com a ajuda dos leitores que votaram na enquete e agora é definitivo. :)

domingo, 8 de março de 2015

7 das minhas autoras de ficção favoritas

Dando continuidade ao dia internacional da mulher, quero compartilhar com vocês algumas das minhas autoras de ficção favoritas. Seja porque escreveram livros inesquecíveis ou porque me instigaram a ler mais ou porque criaram personagens femininas inspiradoras, elas têm um lugar especial o meu coração.



Sue Monk Kidd


Escreveu A Invenção das Asas que conta a história de duas abolicionistas e feministas americanas do século XIX. Livro lindo e muito bem escrito que mistura fatos históricos e ficção. 


Juliet Marillier


Adoro a forma como ela constrói mundos mágicos e personagens femininas fortes. Estou lendo o terceiro livro da autora e amando cada vez mais sua escrita.
Resenhas: Juliet Marillier


Jane Austen


Jane Austen escreveu clássicos que questionaram a posição da mulher na sociedade do século XIX. Austen denunciou o patriarcado, a obrigação do casamento e a impossibilidade de a mulher ganhar seu próprio sustento e foi uma mulher a frente de seu tempo que nunca se casou e viveu do que ganhou com a venda de seus livros. Escreveu histórias inspiradoras, românticas e inesquecíveis.
Resenhas: Jane Austen


Suzanne Collins


Entrou na lista por criar uma das personagens femininas mais icônicas da literatura, um exemplo de fortaleza e perseverança: Katniss Everdeen.
Resenhas: Suzanne Collins



Philippa Gregory



Ficção histórica é um dos meus gêneros literários favoritos e Philippa Gregory escreve sobre as mulheres na corte inglesa nas idades média e moderna. Conta de uma forma encantadora o papel dessas mulheres em acontecimentos importantes da história britânica. Amo essa autora!
Resenhas: Philippa Gregory



J. K. Rowling


Além de ter uma história de vida admirável e de ser a primeira pessoa no mundo a ficar bilionária escrevendo livros (!!!), J. K. Rowling fez uma geração inteira gostar de ler. Criou um mundo maravilhoso que quase todo mundo gostaria que existisse e me deu mais uma das minhas personagens favoritas: Hermione.
Resenhas: J. K. Rowling



Marion Zimmer Bradley


As Brumas de Avalon é uma obra incrível. Conta a história do lendário Rei Artur pelo ponto de vista das mulheres da sua vida. Traz personagens fortes, lutadoras e inspiradoras. Morgana é uma das minhas personagens preferidas da vida. Além disso a obra me fez gostar ainda mais de ler e me fez companhia em um momento difícil da minha vida, quando saí da casa dos meus pais e vim para o Rio estudar. Além disso, Marion Zimmer Bradley escreveu O Incêndio de Troia que conta a guerra de Trioa pelo ponto de vista de mulheres fortíssimas e inspiradoras. Amo a Kassandra!
Resenhas: Marion Zimmer Bradley


Até mais.
Beijos e boas leituras. :**


8 de março - Dia Internacional da Luta das Mulheres

 Hoje é dia de lembrar das mulheres que morreram lutando e das muitas conquistas que ainda faltam ser alcançadas por nós mulheres. Ainda há muito pelo que lutar porque estamos muito longe da igualdade. Deixo aqui as minhas heroínas preferidas da ficção que mostram como somos fortes e do que somos capazes.

Beijos a todas as mulheres. Força!






quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

A Hora da Estrela - Clarice Lispector


LISPECTOR, Clarice. A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. 88p.

"Desculpai-me mas vou continuar a falar. de mim que sou meu desconhecido, e ao escrever me surpreendo um pouco pois descobri que tenho um destino. Quem já não se perguntou: sou um monstro ou isso é ser uma pessoa?" p.15

A Hora da Estrela conta a vida de Macabéa. O livro é narrado em primeira pessoa por um narrador que se apresenta como um escritor chamado Rodrigo. Ele narra os acontecimentos na vida de Macabéa como um observador.  

Macabéa é uma jovem nordestina que vive no Rio de Janeiro e divide um quarto de pensão com outras moças. Ela é datilógrafa e se orgulha disso. Macabéa não é bonita, é descrita como sendo magra demais, mal cuidada, pobre, simples e comum. Ninguém nota sua presença. Não entende de quase nada e se atrapalha no trabalho porque não entende bem as palavras. Ela se considera feliz, mas não tem ambição e se contenta com quase nada. Quando a maltratam, não reclama, não reage. Como se fosse normal tratarem-na assim. 

Penso que ela se considera feliz porque nunca conheceu a felicidade e não a ambiciona. Mas na verdade ela é triste, a vida dela é monótona, sem emoção e sem grandes acontecimentos. E ela não sonha com nada melhor.

"A Pessoa de quem vou falar é tão tola que às vezes sorri para as pessoas na rua. Ninguém lhe responde ao sorriso porque nem ao menos a olham." p.16

"Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse a sempre novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias. Mas preparado estou para sair discretamente pela saída da porta dos fundos. Experimentei quase tudo, inclusive a paixão e o desespero. E agora só quereria ter o que eu tivesse sido e não fui." p.21  (Lindo!)

Esse é o primeiro livro da Clarice Lispector que leio. Fiquei encantada com a escrita simples, mas poética, cheia de metáforas e de sentimento. A história é crua, visceral e me tocou bem fundo. Senti pena de Macabéa pela sua solidão e raiva por ela ser tão acomodada, mas entendi que ela nunca teve em quem se espelhar, nunca pensou sobre o futuro ou em tornar a vida melhor. Em alguns momentos me encontrei um pouco nela. O final é triste e doloroso. Não é o tipo de leitura que eu costumo buscar usualmente, mas eu amei! Recomendo muito!

"(...)Essa moça não sabia o que era, assim como um cachorro não sabe que é um cachorro. Daí não se sentir infeliz. A única coisa que queria era viver. Não sabia para quê, não se indagava. Quem sabe achava que havia uma gloriazinha em viver. Ela pensava que a pessoa era obrigada a ser feliz. Então era." p.28

Avaliação: ★★★★ 

Até mais. 
Beijos e boas leituras. :**




Este livro faz parte do Projeto Lendo o Mundo criado pela Mell do Blog Literature-se.
Para entender melhor o desafio, entrem no meu link sobre ele.


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Novo nome e explicação

Olá, leitores.

Atualização em 04/02/2016:
Encontrei, há um tempinho atrás, outro blog com mesmo nome que o meu e desde aquele momento venho pensado em outros nomes. Escolhi Dança com Livros depois de pensar bastante sobre o assunto e com a ajuda dos amigos. Esse nome mantém a ideia nome original unindo dança e literatura. E também é um trocadilho com "Dance with Dragons" - Dança com Dragões, 5º livro da série "As Crônicas de Gelo e Fogo" de George R. R. Martin que no Brasil foi traduzido como "A Dança dos Dragões".

A fanpage no facebook mudou. Do ladinho aqui da página vocês encontram o link para a nova fanpage.

Beijos e boas leituras. :**


sábado, 31 de janeiro de 2015

O Lado Bom da Vida - Matthew Quick



QUICK, Matthew. O lado bom da vida. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012. Título Original: The silver linings playbook. 256p.

Pat People acabou de sair de uma instituição para doentes mentais onde ficou internado durante 5 anos. Mas para ele foram só alguns meses. Ele quer retomar sua vida e passa a viver com o único propósito de reconquistar sua mulher. Ele vai morar com os pais e passa os dias lendo os livros que sua mulher gosta, malhando e correndo para ficar magro e forte. Ele acredita que assim terá sua mulher de volta logo e terminará com o que ele chama de "tempo separados". Mas ele não sabe que já se passaram 5 anos e que sua mulher não quer mais vê-lo. E sua família está resistente em contar a verdade. O pai nem ao menos fala com ele desde a sua volta.

Pat frequenta as seções de terapia onde conta para seu terapeuta como está sua vida e como era na instituição onde esteve internado que ele chama de "o lugar ruim". Ele teme voltar para lá e está disposto a ser um novo homem. Pat também é um torcedor fanático dos EAGLES e assiste sempre aos jogos em casa ou no estádio com os irmãos e até com o seu terapeuta. 

Enquanto isso, Pat é apresentado a Tiffany, irmã da mulher de um dos seus irmãos. Ela também está passando por um momento de instabilidade emocional e tentando se curar depois da morte de seu marido. Tiffany começa a correr com Pat todos os dias e eles se tornam amigos. Até que Tiffany faz a Pat uma proposta irrecusável. Ela conta a Pat que sua mulher não quer nem pode mais vê-lo por conta de uma ordem judicial, mas se oferece para ser um elo de ligação entre eles enviando cartas um para o outro, com a condição de que Pat participe com ela de uma competição de dança. E assim Tiffany e Pat começam a ensaiar arduamente para a competição.

A história contada em O Lado Bom da Vida é fofa. É uma história de motivação e luta pelo restabelecimento emocional, de perda, amor e amizade. Mas a narrativa, em primeira pessoa, me incomodou bastante. O narrador personagem, Pat People, é extremamente infantil. O livro parece ser narrado por uma criança de 8 anos. Foi irritante ouvir um homem de 35 anos falar de sua vida de forma tão pueril. Ainda que essa imaturidade tenha sido explicada como uma forma de Pat não encarar seus problemas a a consequência de seus atos, achei excessiva e estereotipada. Embora alguns aspectos de Pat tenham me cativado, como seu otimismo e busca do lado bom de todas as coisas, e a forma como o seu transtorno mental foi descrito, o personagem não me conquistou por ser exageradamente imaturo. Por outro lado, eu gostei muito de Tiffany, mesmo ela sendo atrapalhada, de fazer más escolhas e meter os pés pelas mãos. Tiffany é uma personagem incrível - bem construída, cativante, intensa e cheia  de boas intenções e também de defeitos. Também gostei do terapeuta de Pat, da sua mãe e da forma como a relação entre seus pais e os segredos são trabalhados na história. É uma ótima história com bons personagens, mas que, a meu ver, pecou pela narrativa fraca e estereotipada. Pat People me irritou muito, principalmente nos momentos finais. Mas eu curti a leitura por conta de todos os outros elementos positivos e, claro, pela dança! É um bom livro para descansar a mente de leituras mais pesadas. Recomendo.

Avaliação: ★★★

Falei sobre a adaptação do livro para o cinema aquiAcho que gostei mais do filme do que do livro.

Até mais.
Beijos e boas leituras. :**




Este livro faz parte do Projeto Lendo o Mundo criado pela Mell do Blog Literature-se.
Para entender melhor o desafio, entrem no meu link sobre ele.